terça-feira, 12 de março de 2013

E no fim?

Ele já não cumprimentava,
Ele mal sabia escrever,
Já sonhava todas as noites com pedaços esquecidos,
Deixava-se aos poucos,
Mal olhava-se, mal encarava-se,
Mal encantava-se,
Nada era engraçado, nada era colorido,

Nada, era bonito.

Mas não pra ele, porque se perdeu,
se esqueceu, se escondeu,
tudo deu certo, mas no fim, tudo era incerto.