segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Curiosidade

A vida vem me ensinando a mentir,
A vida vem me ensinando a omitir,
Escutei, abracei, chorei, gritei,
O que? Aonde? Quem? Por que?

Sem sentido, soldado,
Para com isso, olha pra ti,
Não tenho espelho,
Não tenho respeito,
Queria gritar, mas já não tenho voz,
Tenho vontade, mas não tenho saudade.

Tive algo, que não tenho mais,
Ué, tudo nessa vida tem um fim,
Assim disse o Racionais,
Mas tá tão sem graça assim,
Por que? Não mais.

Já tá tudo sem nexo,
Porque não tenho respostas
Já não existem folhas,
Já não existem letras.

Sobrou a dor de cabeça,
Até mesmo sem o café,
Aquele amigo, nem voltou,
Aquela volta, ele nem esperou.

Tudo mudou, mudei,
Mudarei, mas esqueci,
Esqueci quem sou, quem fui,
E não quero saber que porra eu serei.

Mesmo na vitória, a dor segue a mesma,
Pedi pra perder tudo pra um dia sorrir,
Hoje só sobrou angustia, ansiedades, insegurança,
Tantas palavras baixas, logo vão vir te perguntar por quê.
Acho que não, acho que já mudou, não quero saber.

Não quero te escutar, não quero te olhar,
Por que dizia-me que enxergava,
Se mal pude te ver,
Eram tantas exclusividades,
Hoje, já quero esquecer.

Quem escreveu minha rota,
Esqueceu que também sou humano,
Me fala que te escuto,
Se eu não aceitar,
Não é na guela baixo que vai me ganhar.

Perdoe, já to sem saída,
Sem partida,
Solidão perdida.